terça-feira, 20 de outubro de 2009

engano


escrevo pelo dever pelo direito pelo avesso escrevo pelo crer pelo entreter pelo adereço escrevo pelos pelados peludas pelancudas desacudidas por quem não tem roupa pra vestir pelas galinhas depenadas pelas calmas pelo sentir pelas almas penadas escrevo pelo cravo pela rosa pela espinha infeccionada dolorosa quando tocada escrevo por amores longe por amigos perto pela água pelo oásis do meu deserto escrevo pelo desertor e pelo soldado pela esperança pelo desesperado escrevo pelo futuro que não vem pelo passado que não foi pelo presente que foge pelo gozo pelo nojo pelo álcool, comida pelo engov pelos homens que amam e não possuem sono pelo calor pelo abano pelos abonados africanos asiáticos sul-americanos pelos concretistas tropicalistas modernistas claricianos pelos músicos e pelos profanos escrever deve ser meu maior engano


4 comentários:

  1. Sensacional, tachinha! Dá até vontade de ler de novo...

    ResponderEliminar
  2. adorei. :)
    escrevo porque o pulso não para.

    ResponderEliminar
  3. Adoro quando você escreve nessa pegada ritmada!

    ResponderEliminar

Que tal continuar o poema nos comentários? Co-criemos.